quinta-feira, 9 de outubro de 2008

Conto sem fim...

Parte I
Num Reino encantado, distante da civilização, vivia um belo rapaz. Belo não apenas na beleza externa, mas em seus puros sentimentos, rapaz honesto, de bem com a vida, pronto à ajudar até mesmo as pessoas que não precisavam de ajuda. Por viver em um lugar distante, sempre estava ocupado demais com seus afazeres domésticos e auxiliando o pai, mas vivia este belo moço: triste. A época de importantes tomadas de decisões e definição de um caminho em sua vida se aproximara e este rapaz, não tinha idéia do que fazer de sua, até então, monótona existência. Dias de Sol e Calor, como de costume, deitava-se embaixo do seu pé de laranja de "estimação" e ficava ali horas e horas monologando com as cabras que passavam por sua frente; cabras estas que pareciam não se importar com sua presença. Ignoravam-no. Pobre moço infeliz, que nem das cabras conseguia arrancar um minuto de atenção. Virou-se para o lado, fechou os olhos e sonhou... Sonhou com aquilo que seus olhos nunca tiveram apreciado, que seu olfato jamais tivera sentido, que suas mãos jamais tocaram... Sonhou com a vida que, naquele lugar, jamais teria. Viu-se em cima de um palco, chorando... Descarregando mágoas e sentimentos de profunda dor e indescritível.Em plena escuridão, silêncio total...sem murmúrios...nem mesmo o vento assobiava entre os tímpanos libertos e quase inutilizados.
O único som que ecoava em sua mente era o som do vento acariciando as folhas das árvores, e a sensação de liberdade... (continua)
* ELG