segunda-feira, 10 de novembro de 2008

O segundo...

"Se tua alma te repreende, ao ver minha chegada,
Jura à tua alma cega, que eu sou o Desejo.
E o Desejo, em ti, tua alma o sabe, tem entrada.
De galantear-te, assim, dar-me-ás fácil ensejo.

De mim (que sou o Desejo) e outros desejos, cheia
Fique tua alma, enquanto eu, um desejo somente...
Nas grandes multidões – vem de pronto esta idéia –
Cada unidade passa imperceptivelmente.

Permite-me ficar na multidão. Inviso,
Só na soma influirei com a minha unidade.
Considera-me nada; eu bendirei teu juízo,

Se, nada, vier a ser, ainda, algo que te agrade.
Que ames tão-só meu nome, eis o que mais almejo;
Amando-o, me hás de amar, se o meu nome é Desejo."

(Do querido e amigo escritor Thiago Zardo)
17.10.2008