segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Sabe aqueles dias que você acorda com o sentimento de não aceitar ter sido derrotado pelo sono na noite anterior? Mesmo que estivesse com a cabeça no travesseiro pensando nas desilusões amorosas, nos maus tratos que vem recebendo, nas humilhações e quão maior sua gastrite nervosa esteja.
Mas mesmo assim, você percebe que teria sido melhor se não tivesse dormido, se não tivesse caido em sono profundo e leve...já que quando acordou, nada do que imaginou havia melhorado, nada do que pensara havia sido mudado... nenhuma gota havia secado.
Me olho no espelho e não sei mais quem sou...
Às vezes, tantas pessoas e dias/nenhuma/só.
Há dias, escolhas... entre dias: ninguém.
Vou voltar ao meu mundo cor de rosa, onde eu não preciso mais chorar, pois no meu mundo lágrimas de sofrimento não existem.