terça-feira, 3 de agosto de 2010

O dia que percebi que te amava

O dia que percebi que te amava, senti medo por não tê-lo nunca mais perto de mim, depois de anos senti a dor da ausência, mesmo estando longe só fisicamente.
O dia que percebi que te amava, tive medo de não sentir mais seu cheirinho de perfume misturado com o cheiro de cigarro, que se torna uma mistura tão agradável. (embora você saiba o quanto odeio cigarro)
Eu demorei anos para perceber que amava (ou amo). Mas percebi!
Não sei o que fazer com o medo, com a falta de coragem, com os pesadelos durante a noite, as vontades.
Não sei o que fazer com o que eu não te disse e ainda não sei porque não te obriguei a vir em minha casa ontem a noite. Deve ser a revolta por saber que eu poderia ter feito algo por você e não fiz.
O dia que percebi que te amava, percebi também que não era correspondida, não como eu gostaria.
Talvez você veja em mim, apenas mais uma mulher que passou pela sua vida, e uma amiga que sempre estará no mesmo lugar. Quem sabe esperando por você!
O mais incrível de tudo isto, é que o dia que eu percebi que te amava, me dei conta que o melhor pra você é me manter assim, longe. Em silêncio, me contentar com uma bela história, que começou com a vontade de criança, as descobertas de adolescentes e hoje uma vontade de mulher.
Talvez menina/mulher.
O que dia que percebi que te amava, te deixei livre.
Rezei.
Te liguei todos os dias.
Chorei por telefone e te deixei me ouvir chorar.
O que dia que FINALMENTE percebi que te amava, era tarde demais.
Você não acredita mais no amor.

Mas mesmo assim, eu ainda percebo que te amo!


* Este texto escrevi em um momento desesperador, pensei que perderia uma das pessoas mais importantes da minha vida, alguém que quero perto de mim pra sempre.
É um nó na garganta desatado!
Bjos da Deli