domingo, 17 de julho de 2011

Saiba o que é Cyberbullying


Você sabe o que é Cyberbullying?

Eu andei pesquisando sobre o assunto para saber como o Direito procede em relação a estes atos. Atos, que digo aqui de passagem, são atitudes de pessoas que não têm coragem de encarar ninguém frente a frente e preferem se esconder atrás de redes sociais.
Por esses dias, vivenciei uma situação destas e me coloquei no lugar de muitas outras pessoas.
Guardei o registro deste ocorrido e arquivei aqui, tornando o documento online uma prova contra esta pessoa, que pode levá-la a ser processada e perder uma boa grana, fora os trabalhos comunitários que deverá prestar.
Cansei de ser boba, ser brasileira boba.
Que mania idiota que temos de deixar pra lá, de ignorarmos, de querermos passar por cima de tudo que as pessoas nos fazem e mostrar pro mundo todo que somos fortes e superiores. Ser melhor que uma pessoa que faz essas coisas eu tenho certeza que sou e ser superior, é saber o que pode me prejudicar e exigir reparos sobre qualquer dano.
Não somos fortes o tempo todo e nem devemos, devemos sim, ser respeitados por todas as pessoas, este é um direito do ser humano: RESPEITO!
Resolvi deixar este post aqui, para mostrar para você que todo mundo passa por essas coisas e que não precisamos ficar calados e não devemos também.

Leia abaixo o estudo que pesquisei, é importante para você saber até onde algo é saudável ou não. Fui destacando alguns trechos e grave-os, você pode precisar saber disso um dia.



Cyberbullying

bullyingou seja, a prática de intimidação ou comportamento agressivo com o intuito de humilhar algum colega transpôs as barreiras das escolas, das empresas, dos quartéis e chegou ao meio virtual, com o nome de cyberbullying.

A expressão “cyberbullying” carece de tradução formal em português. É uma palavra composta, sendo o “cyber” relativo ao uso das novas tecnologias de comunicação e o “bullying” relativo ao fenômeno dos maus-tratos por parte de bully (agressor).

Assim, Cyberbullying é uma prática que envolve o uso de tecnologias de informação e comunicação para dar apoio a comportamentos deliberados, repetidos e hostis praticados por um indivíduo ou grupo com a intenção de prejudicar outrem.

Consiste no ato de intencionalmente, uma criança, adolescente ou mesmo um adulto, fazendo uso das novas tecnologias da informação, denegrir, ameaçar, humilhar ou executar outro qualquer ato mal-intencionado dirigido a outra criança ou adolescente.

Uma das diferenças do cyberbullying, em relação ao bulling, é a suposta vantagem que o agressor possui pelo anonimato que a Internet pode oferecer. A preocupação de professores e famílias reside no fato de que os insultos virtuais podem se espalhar rapidamente, contaminando todas as pessoas que conhecem a vítima.

As agressões circulam na internet através de redes sociais, comunidades, emails, torpedos, vídeos, blogs e fotologs, entre outros, com uma velocidade muito maior do que teriam fora do mundo virtual. Os insultos podem assumir a forma de calúnias, ofensas, perseguições, rumores, boatos maldosos e imagens forjadas sobre a vítima.

Infelizmente os meios tecnológicos que, a priori, seriam para melhorar e facilitar a vida das pessoas, no caso em questão estão sendo utilizados para menosprezar e insultar outras pessoas.

Não existe um tipo de pessoa específica para ser motivo de insultos, sendo que a invasão do e-mail ou a exposição de uma foto já é o bastante.

Em relação a colegas de escola e professores, as difamações são intencionadas e visam destruir a estrutura psicológica do agredido, deixando-a exposta e desmoralizada perante os demais

O perfil dos praticantes do cyberbullying esta normalmente vinculado à adolescentes sem limites, insensíveis, insensatos, inconseqüentes e empáticos. No entanto, existem relatos acerca de adultos que fazendo-se passar por adolescentes, agridem crianças e adolescentes, valendo-se de uma suposta superioridade intelectual para amedrontar e desmoralizar as vítimas.

Envolvendo três vetores, bully – vítima - novas tecnologias da informação e comunicação, o cyberbullying é um fenômeno em rápido crescimento, que tem contaminado em particular no mundo da Internet.

Por envolver, na maioria dos casos, crianças e adolescentes, com todas as sensibilidades e percursos do desenvolvimento, próprios destas idades, carece de especial atenção por parte de toda a sociedade.

Quando a vitimização envolve adultos, pode ter, também, a designação de cyber-harrassment, assédio cibernético, ou cyberstalking, perseguição cibernética, tendo, contudo, as mesmas características.

Vários projetos de lei focados no bulling estão tramitando no Congresso Nacional, provavelmente haverá analogia no uso de leis voltadas para o bulling nos casos de cyberbullying, uma vez que trata-se do mesmo ato, ainda que executado com ferramentas tecnológicas. Enquanto estas leis não vigorarem, assim como em muitas outras situações da vida, a prevenção é o melhor meio de evitar os efeitos do cyberbullying.

A vítima não deve sofrer passivamente este tipo de ataques, existem formas de resolução, nomeadamente, reportando ao responsável pelo sítio de Internet a situação de abuso ou à operadora de telecomunicações. Se entender que o bullying assume contornos realmente nocivos, deve contatar a polícia, que já tem alguns departamentos atualizados para rastrear o IP do agressor.

Da mesma forma a comunicação entre o jovem e as pessoas envolvidas na sua educação ajuda a evitar o isolamento e o segredo quando um problema destes se instala. Estabelecer uma rotina de conversas com a criança e adolescente, ajuda a perceber as alterações no seu comportamento e a prestar-lhe a ajuda necessária. Em especial, é essencial deixar claro ao jovem que ele não está sozinho nesta situação e não tem que passar por ela sozinho, e que nada fez para merecer ser maltratado dessa forma.

A manutenção dos computadores em local de fácil acesso à família e aos dirigentes de instituições, assim como a utilização de programas controle de acesso, como o “Net Nanny”, o “Norton Online Family” e o “Safe Eyes” podem auxiliar na detecção de abusos. Ao limitar a privacidade na utilização da Internet, é possível o bloqueio de utilização mais abusiva, bem como agir antecipadamente caso tal suceda. Encontram-se disponíveis na Internet, programas que podem ajudar a prevenir este tipo de situação e/ou ajudar a identificar a origem do ataque.

Outra atitude importante consiste na orientação acerca dos perigos de fornecer dados pessoais a terceiros, tais como o roubo de identidade. Além disso, trocar ou colocar imagens pessoais na Internet oferece a oportunidade terceiros de copia, uso e manipulação dos dados e imagens obtidas.

Um dos efeitos nefastos do cyberbullying é levar a vítima a retaliar e tornar-se, ela mesma, numa cyberbullying. Ou seja, a perda do controle emocional da vítima, sendo este o principal propósito do cyberbully.

Orientação no sentido de guardar as mensagens de cyberbulling é pertinente, pois as mesmas podem servir de prova caso o assunto assuma proporções tais que seja necessária a intervenção de entidades especializadas.


Agora vai de você sofrer calado ou procurar seus direitos!