quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Aos meus alunos

Estou sentindo a necessidade de deixar um recado aos meus ex-alunos e também aos que fazem parte da minha vida diariamente (ou pelo menos duas vezes na semana rs):

Meus queridos alunos (não estou sendo irônica não), se todos tivessem ideia da importância que têm em minha vida e do quanto penso em vocês em cada preparar de aula, em cada leitura, em cada filme que assisto ou livro que leio, para poder indicar, ou simplesmente comentar sobre um  jogo de play 3 ou a luta do Anderson Silva que aconteceu no fim de semana, vocês entenderiam muitos "pitis".
Parece que a cada passo dado, o foco são vocês!
Não imagino minha vida sem as Isabelas, Davids, Vivis, Nays, Renatinhos, Denys, Kamillys, Pedros, Letícias, Karines, Palomas,  Josés e tantos outros sujeitos que são cheios de predicados, e que me foge os adjetivos que melhor os qualifiquem. 
Talvez aquele sujeito oculto na minha aula, seja o que mais me faz refletir e querer mudar o mundo em cada aula.
Talvez o meu aluno ideal, seja justamente aquele que precise sempre de um adjunto pra ser completo, seja ele verbal ou nominal.
E este, sempre sendo, simples se faz composto, porque afinal de contas ser abstrato, todo mundo é.
Vocês, meus alunos, saibam que são extremamente importantes para mim e que eu não seria nada se não fossem vocês.
Eu não estaria onde estou, se não fosse a vontade que tenho de estar com vocês, de auxiliá-los e perceber o quanto amadurecem com os erros e o quanto gostam de estar comigo.
Obrigada por me tornarem uma profissional humana que a cada dia tenta entender o ponto de vista de cada um e respeitar cada opinião, para juntos crescermos e nos tornarmos sujeitos compostos de amor, amizade e respeito.


Professora Edelise Gabardo. 


Tudo acaba dando certo

Coisa boa é quando você não tem tempo para nada, quando suas atividades te consomem de tal maneira que percebe o quanto é importante e possui responsabilidades. Muitas coisas só dependem de você e não importa o tempo que leve ou o modo que faça, só depende de você!
Não há nada melhor do que estar em paz consigo mesmo, de saber o que quer da sua vida e saber onde buscar cada objetivo, percebe que sonhar é fundamental, mas que transformar sonhos em metas, faz com que tudo que deseja se torne possível. Não é a maneira que acontece e nem o tempo que leva, o essencial é que mais cedo ou mais tarde, simplesmente acontece!
E no dia marcado onde tudo se tornará real, você saberá valorizar cada conquista, e novas escolhas serão feitas e novas vitórias, virão!

terça-feira, 30 de agosto de 2011

Não seja professor! - por Almirene Sant Anna


Oi gente, hoje recebi mais um e-mail falando sobre os professores, uma profissão tão linda e tão desvalorizada, quero que leiam atentamente e tirem suas conclusões.


Reprodução do texto de Almirene Sant Anna, graduada em Letras com especialização em Lígua Portuguesa e Psicopedagogia: 

Não seja professor!!

O Ministério da Educação, por intermédio de um dos meios de comunicação mais poderoso, tem veiculado uma propaganda convidando os cidadãos brasileiros a serem professores; ele tenta convencer o telespectador de que essa profissão é uma das melhores do mundo, esquecendo que numa pesquisa nacional realizada há alguns meses, o professor era o quinto profissional mais confiável, atrás - pasmem!- dos advogados. Então, por que ser professor se tornou agora tão especial? Está faltando esse profissional no mercado? Por que será?
 

Respondendo a esses questionamentos, eu digo:


Não seja professor: 


- esse profissional perdeu a credibilidade de toda a sociedade; 

- os empregadores desse profissional não têm o menor respeito por ele, deixam-no amedrontado para lutar pelos seus direitos, acreditando que se fizerem isso terão seu salário cortado, suas férias interrompidas, sua moral em baixa; 


- as condições de trabalho desse profissional são as piores possíveis, quando ele tem o material não sabe utilizá-lo, pois não recebeu treinamento para isso e quando sabe, não o tem; 


- ele é vítima do aluno, vítima da comunidade, vítima dos pais dos alunos que não acreditam em seu poder nem em sua autonomia para tomar decisões;


- o salário desse profissional em início de carreira é vergonhoso e para o que já tem algum tempo de serviço é desanimador; 

- para que esse profissional tenha uma vida decente e possa usufruir de um mínimo de conforto, precisa usar o limite do cartão de crédito ou tomar empréstimo consignado, comprometendo ainda mais o salário injusto;

- a falta de funcionários de apoio e de segurança deixam esse profissional a mercê de todo tipo de indivíduos: armados, drogados, mal-intencionados; 


- a carga horária desse profissional, para o tipo de trabalho que exigem dele, é extenuante; 


- apesar das propagandas falando sobre a qualidade da educação, o que os governantes querem é quantidade: excesso de alunos em sala de aula e sendo aprovados sem ter conhecimento; 


- a família transferiu para o professor a tarefa de educar, aconselhar, transmitir valores, cuidar da saúde física e psíquica, ou seja, o professor não é mais o mediador do conhecimento; 


- é sua culpa quando o aluno não aprende, mas não é mérito seu quando ele entra na universidade, o mérito é do “cursinho”; 


- ele não tem vida própria, vive em função dos que ditam as leis comportamentais, que só são punitivas se o profissional for PROFESSOR; 
- esse profissional está longe de ser a profissão mais valorizada em nosso país, porque dele tiraram toda a dignidade, o prazer de ensinar, o valor, o respeito, a moral e a perspectiva de um mundo melhor; 


- apenas o professor universitário (difícil tornar-se um!) ainda goza de certo prestígio na sociedade e, mesmo assim, tem quase todas as razões acima para reclamar.

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Como prova de que um dia em minha vida eu fui assistir a um jogo do Corinthians (contra o Palmeiras rs), vou postar uma foto comprovando o fato, pra quem me conhece sabe que este é um acontecimento raríssimo!

28/08/2011 - Estádio Prudentão

Palmeiras 2

Corinthians 1








sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Depoimento de uma profissional da educação

Oi pessoal, recebi este e-mail hoje e achei ótimo, para quem é da área é a pura realidade e para quem não trabalha com educação, mas já foi aluno, sabe bem como as coisas são.
Leia, tenho certeza que será útil em algo na sua vida.
É o depoimento de uma professora, que luta a cada dia por uma educação verdadeira e acredita em seu trabalho.


"Sou professora do Estado do Paraná e fiquei indignada com a reportagem da jornalista Roberde Abreu Lima “Aula Cronometrada”. É com grande pesar que vejo quão distante estão seus argumentos sobre as causas do mau desempenho escolar com as VERDADEIRAS  razões que  geram este panorama desalentador. Não há necessidade de cronômetros, nem de especialistas  para diagnosticar as falhas da educação. Há necessidade de todos os que pensam que: “os professores é que são incapazes de atrair a atenção de alunos repletos de estímulos e inseridos na era digital” entrem numa sala de aula e observem a realidade brasileira.

Que alunos são esses “repletos de estímulos” que muitas vezes não têm o que comer em suas casas quanto mais inseridos na era digital? Em que  pais de famílias oriundas da pobreza  trabalham tanto que não têm como acompanhar os filhos  em suas atividades escolares, e pior em orientá-los para a vida? Isso sem falar nas famílias impregnadas pelas drogas e destruídas pela ignorância e violência, causas essas que infelizmente são trazidas para dentro da maioria das escolas brasileiras.

Está na hora dos professores se rebelarem contra as acusações que lhes são impostas. Problemas da sociedade deverão ser resolvidos pela sociedade e não somente pela escola.Não gosto de comparar épocas, mas quando penso na minha infância, onde pai e mãe, tios e avós estavam presentes e onde era inadmissível faltar com o respeito aos mais velhos, quanto mais aos professores e não cumprir as obrigações fossem escolares ou simplesmente caseiras, faço comparações com os alunos de hoje “repletos de estímulos”. Estímulos de quê?  De passar o dia na rua, não fazer as tarefas, ficar em frente ao computador, alguns até altas horas da noite, (quando o têm), brincando no Orkut, ou o que é ainda pior envolvidos nas drogas. Sem disciplina seguem perdidos na vida. 

Realmente, nada está bom. Porque o que essas crianças e jovens procuram é amor, atenção, orientação e disciplina. 

Rememorando, o que tínhamos nós, os mais velhos,  há uns anos atrás de estímulos? Simplesmente: responsabilidade, esperança, alegria. 
Esperança que se estudássemos teríamos uma profissão, seríamos realizados na vida. Hoje os jovens constatam que se venderem drogas vão ganhar mais. Para quê o estudo? Por que numa época com tantos estímulos não vemos olhos brilhantes nos jovens? Quem, dos mais velhos, não lembra a emoção de somente brincar com os amigos,  de ir aos piqueniques, subir em árvores? 
E, nas aulas, havia respeito, amor pela pátria.. Cantávamos o hino nacional diariamente, tínhamos aulas “chatas” só na lousa e sabíamos ler, escrever e fazer contas com fluência. 
Se não soubéssemos não iríamos para a 5ª. Série. Precisávamos passar pelo terrível, mas eficiente, exame de admissão. E tínhamos motivação para isso. 
Hoje, professores “incapazes” dão aulas na lousa, levam filmes, trabalham com tecnologia, trazem livros de literatura juvenil para leitura em sala-de-aula (o que às vezes resulta em uma revolução),  levam alunos à biblioteca e a outros locais educativos (benza, Deus, só os mais corajosos!) e, algumas escolas públicas onde a renda dos pais comporta, até a passeios interessantes, planejados minuciosamente, como ir ao Beto Carrero. 
E, mesmo, assim, a indisciplina está presente, nada está bom. Além disso, esses mesmos professores “incapazes”,  elaboram atividades escolares como provas, planejamentos, correções nos fins-de-semana, tudo sem remuneração; 
Todos os profissionais têm direito a um intervalo que não é cronometrado quando estão cansados. Professores têm 10 minutos de intervalo, quando têm de escolher entre ir ao banheiro ou tomar às pressas o cafezinho. Todos os profissionais têm direito ao vale alimentação, professor tem que se sujeitar a um lanchinho, pago do próprio bolso, mesmo que trabalhe 40 h.semanais. E a saúde? É a única profissão que conheço que embora apresente atestado médico tem que repor as aulas.Plano de saúde? Muito precário. 
Há de se pensar, então, que  são bem remunerados... Mera ilusão! Por isso, cada vez vemos menos profissionais nessa área, só permanecem os que realmente gostam de ensinar, os que estão aposentando-se e estão perplexos com as mudanças havidas no ensino nos últimos tempos e os que aguardam uma chance de “cair fora”.Todos devem ter vocação para Madre Teresa de Calcutá, porque por mais que  esforcem-se em ministrar boas aulas, ainda ouvem alunos chamá-los de “vaca”,”puta”, “gordos “, “velhos” entre outras coisas. Como isso é motivante e temos ainda que ter forças para motivar. Mas, ainda não é tão grave. 
Temos notícias, dia-a-dia,  até de agressões a professores por alunos. Futuramente, esses mesmos alunos, talvez agridam seus pais e familiares. 
Lembro de um artigo lido, na revista Veja, de Cláudio de Moura Castro, que dizia que um país sucumbe quando o grau de incivilidade de seus cidadãos ultrapassa um certo limite. 
E acho que esse grau já ultrapassou. Chega de passar alunos que não merecem. Assim, nunca vão saber porque devem estudar e comportar-se na sala de aula; se passam sem estudar mesmo, diante de tantas chances, e com indisciplina... E isso é um crime! Vão passando série após série, e não sabem escrever nem fazer contas simples. Depois a sociedade os exclui, porque não passa a mão na cabeça. Ela é cruel e eles já são adultos. 
Por que os alunos do Japão estudam? Por que há cronômetros? Os professores são mais capacitados? Talvez, mas o mais importante é  porque há disciplina. E é isso que precisamos e não de cronômetros.  Lembrando: o professor estadual só percorre sua íngreme carreira mediante cursos, capacitações que são realizadas, preferencialmente aos sábados. Portanto, a grande maioria dos professores está constantemente estudando e aprimorando-se. Em vez de cronômetros, precisamos de carteiras escolares, livros, materiais, quadras-esportivas cobertas (um luxo para a grande maioria de nossas escolas), e de lousas, sim, em melhores condições e em maior quantidade. 
Existem muitos colégios nesse Brasil afora que nem cadeiras possuem para os alunos sentarem. E é essa a nossa realidade!  E, precisamos, também, urgentemente de educação para que tudo que for fornecido ao aluno não seja destruído por ele mesmo Em plena era digital, os professores ainda são obrigados a preencher os tais livros de chamada, à mão: sem erros, nem borrões  (ô, coisa arcaica!), e ainda assim se ouve falar em cronômetros. Francamente!!! 
Passou da hora de todos abrirem os olhos  e fazerem algo para evitar uma calamidade no país, futuramente. Os professores não são culpados de uma sociedade incivilizada e de banditismo, e finalmente, se os professores  até agora  não responderam a todas as acusações de serem despreparados e  “incapazes” de prender a atenção do aluno com aulas motivadoras é porque não tiveram TEMPO. 
Responder a essa reportagem custou-me metade do meu domingo, e duas turmas sem as provas corrigidas. 
Vamos começar uma corrente nacional que pelo menos dê aos professores respaldo legal quando um aluno o xinga, o agride... chega de ECA que não resolve nada, chega de Conselho Tutelar que só vai a favor da criança e adolescente (capazes às vezes de matar, roubar e coisas piores), chega de salário baixo, todas as profissões e pessoas passam por professores, deve ser a carreira mais bem paga do país, afinal os deputados que ganham 67% de aumento tiveram professores, até mesmo os "alfabetizados funcionais". Pelo amor de Deus somos uma classe com força!!! Somos politizados, somos cultos, não precisamos fechar escolas, fazer greves, vamos apresentar um projeto de Lei que nos ampare e valorize a profissão."
Vanessa Storrer - professora da rede Municipal de Curitiba!

terça-feira, 23 de agosto de 2011

trânsito nosso de cada dia

Hoje de manhã, quando eu estava indo ao trabalho, parei para analisar quem passava ao meu lado: caminhões, carros, motos, bicicletas, carrinhos de bebês, carroças, vans, ônibus, catadores de papel, pessoas caminhando e em comum apenas um detalhe: ninguém estava imune à violência no/do trânsito.
Quando fui atravessar a rodovia, um caminhão me jogou de lado e ao mesmo tempo pessoas na calçada precisaram se esquivar, pois uma carroça tinha acabado de subir na calçada, já que o cavalo tomou um susto com a buzina do caminhão que avançou o sinal vermelho e quase me fez conhecer seus eixos.
Mas na verdade, com isso, só quero dizer que todos os dias de nossa vida estamos sujeitos à violência e, mesmo não querendo, iremos sofrer as consequências de atos de terceiros, estes que não se preocupam conosco e trafegam da pior forma possível, sem medo de fazer-nos mal ou a si próprio. Seria bom se todos pensassem:  Até quando a negligência será necessária para ir de um lugar para outro?

Talvez, até esta pessoa perder um ente querido ou sua própria vida.

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

MAKING OF - BACKSTAGE ITINERANT STUDIO

Vou massagear meu ego, postando o making of do ensaio fotográfico que fiz com a BACKSTAGE ITINERANT STUDIO, o trabalho da equipe toda deve ser valorizado, pois são competentíssimos, adorei o resultado!


MODELOSGILMARA PAIVA e EDELISE GABARDO




quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Vestibular FECEA - segunda fase (Português)

Pessoal quem estiver precisando de ajuda pra segunda fase da FECEA, só digo que os conteúdos são super fáceis... se precisarem de dicas, contem comigo...

;)

Sobre os livros, quem não leu nenhum, pegue o resumo em um site confiável e procure algum artigo científico sobre o mesmo, o comentário de um estudioso sobre a obra será de grande ajuda, os demais conteúdos são simples e básicos como separação silábica (hiato, ditongo, tritongo - abertos ou fechados), acentuação gráfica (oxítona, paroxítona, proparoxítona, usam o acento circunflexo ^ quando um verbo está no plural, ex. Ele tem um carro - Eles têm um carro), frase, oração e período (Silêncio - frase/ Silêncio, estou ouvindo um barulho. - oração/ Silêncio, estou ouvindo um barulho. Até quando estarei em perigo? - período), crase (jamais será usada antes de verbo- sempre será usada antes de horas - vou à crase no À, volto de, crase pra que?), figuras de linguagem (metáfora, paráfrase, paródia...), a utilização do que e do se, discurso direto ou indireto( José disse: _Vá embora Pedro! -direto/ Então José disse para Pedro ir embora.- indireto) , saiba diferenciar um texto lírico de um dramático (lirismo=poesia), saiba as características das escolas literárias(Quinhentismo, Arcadimos, Romantismo....) e os principais escritores(José de Alencar com suas duas fases, primeiro indianista e depois crítico social/ Machado de Assis e seu realismo psicológico entre outros...), diferencie prosa e verso( vamos prosear?= conversar) ... como eu disse, não é complicado, são assuntos que viram durante todo o ensino médio e que por sinal, guardamos muitos deles, vocês só precisam lembrar.

Qualquer coisa, estou aqui!
Créditos: BackStage Itinerant Studio e Fotógrafo Keith Imamura
Quando você para para ler as notícias nos principais sites o que encontra?
Só notícias como:
"Quem matou Norma?, Fulana de tal caminhando pela praia e seus quilinhos a mais, Gretchen tenta emplacar a nova rainha do bumbum, Outra fulana de tal que teve filho"e assim vai! rs
Acho engraçado essas coisas e pior que paro pra ler muitas delas. rs
Uma coisa que sempre falo pro meus alunos é que leiam sobre tudo, até mesmo fofoca... atualidade é atualidade e até coisas desse tipo podem trazer alguma coisa proveitosa pra gente.
Qualquer notícia que te traga uma reflexão se torna significativa.
Estou pensando em fazer uma outra faculdade, só estou na dúvida em relação ao curso... talvez jornalismo ou psicologia, jornalismo tem aquela polêmica sobre não existir necessidade de diploma, mas sei lá... é indispensável conhecer as mídias, né? Psicologia é interessantíssima... e adoraria conhecer um pouco mais sobre a mente humana, temos atitudes tão estranhas de vez em quando!
Mas ainda não sei, não pretendo sair de sala, amo lecionar e estou onde eu amo estar, essa é uma das melhores fases da minha vida, devo agradecer a Deus. (e sempre agradeço ;) )
Não importa a idade que temos, sempre estaremos em dúvida em relação a algo.
E que bom que não temos certeza de nada, a vida fica bem mais colorida!
Bjo Bjo

terça-feira, 16 de agosto de 2011

Sobre a vírgula

Sobre a Vírgula


Muito legal a campanha dos 100 anos da ABI

(Associação Brasileira de Imprensa).


Vírgula pode ser uma pausa... ou não.
Não, espere.
Não espere..


Ela pode sumir com seu dinheiro.
23,4.
2,34.


Pode criar heróis..
Isso só, ele resolve.
Isso só ele resolve.


Ela pode ser a solução.
Vamos perder, nada foi resolvido.
Vamos perder nada, foi resolvido.


A vírgula muda uma opinião.
Não queremos saber.

Não, queremos saber.


A vírgula pode condenar ou salvar. 
Não tenha clemência!
Não, tenha clemência!


Uma vírgula muda tudo.
ABI: 100 anos lutando para que ninguém mude uma vírgula da sua informação.



Detalhes Adicionais:

SE O HOMEM SOUBESSE O VALOR QUE TEM A MULHER ANDARIA DE QUATRO À SUA PROCURA.



* Se você for 
mulher, certamente colocou a vírgula depois de MULHER...
* Se você for 
homem, colocou a vírgula depois de TEM...

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

O substantivo "coisa" assumiu tantos valores que cabe em quase todas as situações cotidianas por Francicarlos Diniz

O substantivo "coisa" assumiu tantos valores que cabe em quase todas as situações cotidianas 


Francicarlos Diniz



A palavra "coisa" é um bombril do idioma. Tem mil e uma utilidades. É aquele tipo de termo-muleta ao qual a gente recorre sempre que nos faltam palavras para exprimir uma idéia. Coisas do português.
A natureza das coisas: gramaticalmente, "coisa" pode ser substantivo, adjetivo, advérbio. Também pode ser verbo: o Houaiss registra a forma "coisificar". E no Nordeste há "coisar": "Ô, seu coisinha, você já coisou aquela coisa que eu mandei você coisar?".
Coisar, em Portugal, equivale ao ato sexual, lembra Josué Machado. Já as "coisas" nordestinas são sinônimas dos órgãos genitais, registra o Aurélio. "E deixava-se possuir pelo amante, que lhe beijava os pés, as coisas, os seios" (Riacho Doce, José Lins do Rego). Na Paraíba e em Pernambuco, "coisa" também é cigarro de maconha. Em Olinda, o bloco carnavalesco Segura a Coisa tem um baseado como símbolo em seu estandarte. Alceu Valença canta: "Segura a coisa com muito cuidado / Que eu chego já." E, como em Olinda sempre há bloco mirim equivalente ao de gente grande, há também o Segura a Coisinha.
Na literatura, a "coisa" é coisa antiga. Antiga, mas modernista: Oswald de Andrade escreveu a crônica O Coisa em 1943. A Coisa é título de romance de Stephen King. Simone de Beauvoir escreveu A Força das Coisas, e Michel Foucault, As Palavras e as Coisas.
Em Minas Gerais, todas as coisas são chamadas de trem. Menos o trem, que lá é chamado de "a coisa". A mãe está com a filha na estação, o trem se aproxima e ela diz: "Minha filha, pega os trem que lá vem a coisa!".
Devido lugar
"Olha que coisa mais linda, mais cheia de graça (...)". A garota de Ipanema era coisa de fechar o Rio de Janeiro. "Mas se ela voltar, se ela voltar / Que coisa linda / Que coisa louca." Coisas de Jobim e de Vinicius, que sabiam das coisas. Sampa também tem dessas coisas (coisa de louco!), seja quando canta "Alguma coisa acontece no meu coração", de Caetano Veloso, ou quando vê o Show de Calouros, do Silvio Santos (que é coisa nossa).
Coisa não tem sexo: pode ser masculino ou feminino. Coisa-ruim é o capeta. Coisa boa é a Juliana Paes. Nunca vi coisa assim! Coisa de cinema! A Coisa virou nome de filme de Hollywood, que tinha o seu Coisa no recente Quarteto Fantástico. Extraído dos quadrinhos, na TV o personagem ganhou também desenho animado, nos anos 70. E no programa Casseta e Planeta, Urgente!, Marcelo Madureira faz o personagem "Coisinha de Jesus".
Coisa também não tem tamanho. Na boca dos exagerados, "coisa nenhuma" vira "coisíssima". Mas a "coisa" tem história na MPB.
No II Festival da Música Popular Brasileira, em 1966, estava na letra das duas vencedoras: Disparada, de Geraldo Vandré ("Prepare seu coração / Pras coisas que eu vou contar"), e A Banda, de Chico Buarque ("Pra ver a banda passar / Cantando coisas de amor"), que acabou de ser relançada num dos CDs triplos do compositor, que a Som Livre remasterizou. Naquele ano do festival, no entanto, a coisa tava preta (ou melhor, verde-oliva). E a turma da Jovem Guarda não tava nem aí com as coisas: "Coisa linda / Coisa que eu adoro".
Cheio das coisas
As mesmas coisas, Coisa bonita, Coisas do coração, Coisas que não se esquece, Diga-me coisas bonitas, Tem coisas que a gente não tira do coração. Todas essas coisas são títulos de canções interpretadas por Roberto Carlos, o "rei" das coisas. Como ele, uma geração da MPB era preocupada com as coisas. Para Maria Bethânia, o diminutivo de coisa é uma questão de quantidade (afinal, "são tantas coisinhas miúdas"). Já para Beth Carvalho, é de carinho e intensidade ("ô coisinha tão bonitinha do pai"). Todas as Coisas e Eu é título de CD de Gal. "Esse papo já tá qualquer coisa... Já qualquer coisa doida dentro mexe." Essa coisa doida é uma citação da música Qualquer Coisa, de Caetano, que canta também: "Alguma coisa está fora da ordem."
Por essas e por outras, é preciso colocar cada coisa no devido lugar. Uma coisa de cada vez, é claro, pois uma coisa é uma coisa; outra coisa é outra coisa. E tal coisa, e coisa e tal. O cheio de coisas é o indivíduo chato, pleno de não-me-toques. O cheio das coisas, por sua vez, é o sujeito estribado. Gente fina é outra coisa. Para o pobre, a coisa está sempre feia: o salário-mínimo não dá pra coisa nenhuma.
A coisa pública não funciona no Brasil. Desde os tempos de Cabral. Político quando está na oposição é uma coisa, mas, quando assume o poder, a coisa muda de figura. Quando se elege, o eleitor pensa: "Agora a coisa vai." Coisa nenhuma! A coisa fica na mesma. Uma coisa é falar; outra é fazer. Coisa feia! O eleitor já está cheio dessas coisas!
Coisa à toa
Se você aceita qualquer coisa, logo se torna um coisa qualquer, um coisa-à-toa. Numa crítica feroz a esse estado de coisas, no poema Eu, Etiqueta, Drummond radicaliza: "Meu nome novo é coisa. Eu sou a coisa, coisamente." E, no verso do poeta, "coisa" vira "cousa".
Se as pessoas foram feitas para ser amadas e as coisas, para ser usadas, por que então nós amamos tanto as coisas e usamos tanto as pessoas? Bote uma coisa na cabeça: as melhores coisas da vida não são coisas. Há coisas que o dinheiro não compra: paz, saúde, alegria e outras cositas más.
Mas, "deixemos de coisa, cuidemos da vida, senão chega a morte ou coisa parecida", cantarola Fagner em Canteiros, baseado no poema Marcha, de Cecília Meireles, uma coisa linda. Por isso, faça a coisa certa e não esqueça o grande mandamento: "amarás a Deus sobre todas as coisas". Entendeu o espírito da coisa?
Se não entendeu, desculpe qualquer coisa.
a gente só se dá conta da importância do dia dos pais, quando passamos 14 anos sem poder abraçar o nosso

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Ahhh como é bom sentir a calma, a fragrância e a doçura
Rir, até doer o rosto, sorrir até derramar uma lágrima
Ter um grande amor, um companheiro
Hummm...
Uma única pessoa que contemple o mundo inteiro
Respeito e amor, é assim que te defino!

E o clipe do dia é:

Runaway - Maroon 5

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Violência, arroz, feijão e salada!

imagem da internet
Um dos meus hábitos diários é assistir ao jornal depois do almoço, geralmente vejo Record, gosto da apresentadora e me divirto com os furos do Percival.
Mas, há alguns dias venho me esquivando deste hábito e sabe o porquê?
Porque, é difícil fazer uma digestão com meninas sendo jogadas do sexto andar, ou cozinheiras colocando veneno de rato na comida de crianças de uma escola, é triste ver bebês sendo arremessados na parede, homens estuprando meninas, pedófilos.
Cidades e cidades inundadas, desempregos, assaltos, assassinatos, acidentes...
Parece que a cada dia a violência tem aumentado, ou será que hoje temos contato direto com informações ou o excesso delas?
Acredito que nem tudo precisava ser mostrado, não friamente.
Eu sei que não somos obrigados a acompanhar nada, mas eu seria uma alienada se não soubesse a realidade deste mundo preconceituoso e violento.
Parece que a partir do momento que jogaram alguém de um prédio, esta prática se tornou constante, virou moda arremessar pessoas, virou moda torturar alguém para conseguir algo.
Virou moda também, esconder o corpo, né? 
Fingir que ninguém viu nada, não ouviu nada...
Não sei se isso é ser brasileiro, se é ser medíocre ou se é perceber que tudo se tornou algo tão natural, que nem nos damos conta da gravidade, apenas temos conhecimento que mais uma desgraça aconteceu.
Não sei como resolver este problema, minhas soluções servem para mim e minha família, e desta forma eu posso dizer, que a educação que recebemos em casa, é o que nos torna quem somos e reféns dos nossos atos.



segunda-feira, 8 de agosto de 2011

TEATRO MÁGICO em Londrina (mais um vídeo)

Como eu havia comentado, segue mais um vídeo do TM, com uma apresentação quase completa.
Pra quem gosta, arrepia!

"hummmm e o mundo é perfeitooo."
"nem toda palavra é...aquilo que o dicionário diz."

domingo, 7 de agosto de 2011

TEATRO MÁGICO em Londrina 06.agosto.2011 (vídeos)

Como prometi, aqui estão os vídeos que fiz ontem.
Beijos e bom domingo!
Ahhh, falta postar um ainda, com mais de 2 minutos, depois faço uma postagem só dele, ok?
Apreciem, arte, cultura, música... "tudo em uma coisa só!"



TEATRO MÁGICO em Londrina 06.agosto.2011 (fotos)

Galera, fui pro show do Teatro Mágico ontem em Londrina, e foi maravilhoso, não tenho palavras para contar cada detalhes, cada música, cada tudoooo...
Vou postar algumas fotos, e assim que eu terminar de colocar os vídeos no youtube, vou postar também.
Fiquei pertinho do palco, o Fernando Anitelli é incrível.
Me arrepiei!
O público então, participativo, educado... culto! Crianças, adultos... "tudo uma coisa só!"







sexta-feira, 5 de agosto de 2011

As mulheres inviáveis nas Memórias Póstumas de Brás Cubas

Boa noite.
Hoje li um artigo sobre Memórias póstumas de Brás Cubas, no uol e quero compartilhar com todos
Porém, estou colocando na íntegra aqui embaixo, espero mesmo que gostem.


As mulheres inviáveis nas Memórias Póstumas de Brás Cubas
O perfil e a relevância das quatro principais e inviáveis personagens femininas na grande obra machadiana

Por Cícera Araújo de Sousa


As mulheres na obra Memórias Póstumas de Brás Cubas, romance realista de Machado de Assis, são o foco desta análise que tem por objetivo destacar o posicionamento do narrador sobre as personagens, levando-se em conta os aspectos sociais e psicológicos na construção do perfil das mulheres Marcela, Virgília, Eugênia e Nhã-loló. Os comentários irônicos do narrador nos levam a crer que esta representação se constitui numa forma de inviabilizar as mulheres do ponto de vista moral.
Antes de chegarmos às mulheres, primeiramente vamos ao seu narrador. Brás Cubas, um homem sem apegos morais nem sociais, começa a contar sua história depois de morto, assim não devia explicações a ninguém. Era formado em Direito, porém não teve nenhuma conquista profissional. Memórias Póstumas de Brás Cubas narra a vida do protagonista desde seu nascimento até sua morte (1805-1869), delimitando assim o período histórico do Brasil na segunda metade do século XIX, inclusive o Rio de Janeiro, com seus costumes, cultura, entre outros. Foi um homem que tudo tentou, porém nada realizou.
As personagens femininas são descritas como interesseiras, dissimuladas, sensuais, eróticas, traiçoeiras e caprichosas, certamente pelo fato de que o romance apresenta as opiniões e julgamentos de apenas uma das partes, ou seja, Brás Cubas. E, como reflexo de seu ser, suas mulheres lhe faziam jus: Marcela é promíscua, amante dos valores financeiros e sem escrúpulos; Virgília é faceira, pueril, interesseira e mentirosa; Eugênia é coxa, vítima de seu próprio preconceito, sempre triste e melancólica, possui extrema capacidade de dissimulação. Nhã-loló é perfeita para o cargo de esposa, mas adoece e morre.
Começaremos, então, pela primeira mulher da sua vida: "a dama espanhola Marcela", "[...] Era boa moça, lépida, sem escrúpulos, um pouco tolhida pela austeridade do tempo, que lhe não permitia arrastar pelas ruas os seus estouvamentos e berlindas; luxuosa, impaciente, amiga de dinheiro e de rapazes" (cap. 15), logo se via que ela era bem inviável. E diante de tamanha formosura, Brás Cubas deixa-se apaixonar perdidamente. Este seria o seu primeiro envolvimento carnal. Era uma mulher que amava muito, principalmente a quem a mimasse mais e não falamos aqui de gracejos e carícias, e sim de joias, dinheiro, afinal ela já não possuía a "inocência rústica". Guardava tudo numa caixa de ferro. Porém não gostava de passar por interesseira, possuía seus caprichos para conseguir o que queria. O que não foi diferente com Brás: "Marcela amou-me durante quinze meses e onze contos de réis; nada menos" (cap. 17). Percebe-se um traço comum nos romances maduros de Machado de Assis; a representação da sociedade burguesa do Segundo Reinado com suas damas elegantes e ambiciosas custeadas por homens da alta sociedade que se mostravam de bom caráter e fiéis à esposa, mas na realidade não passavam de libertinos.
Agora tratemos de Virgília, esta além de ser a primeira das mulheres citadas na obra, é descrita de maneira minuciosa. A descrição acontece desde a roupa que ela usa no momento, até a forma como se comporta diante dos acontecimentos. Virgília ocupou muito tempo da vida de Brás. A princípio, o autor fala superficialmente da paixão arrebatadora que ambos sentiam, depois faz uma ponte entre o tempo do romance que viveu e o momento atual. "Dois grandes namorados, de paixões sem freio, nada mais ali, vinte anos depois..." (cap. 06). Mesmo depois de vinte anos a beleza de Virgília não desaparecera, "tinha agora a beleza da velhice, um ar austero e maternal" (cap.06). Virgília é atrevida, voluntariosa, bonita, fresca, clara, faceira, pueril. Um anjo segundo o pai de Brás, o que podemos interpretar de duas maneiras: a primeira delas seria por sua beleza, sua brancura. A segunda, talvez por sua passividade diante da sociedade patriarcal do século XIX, como também por seu papel de boa moça ao lado de um possível homem político.
Analisando o papel da personagem Virgília, do ponto de vista conjugal, pode-se dizer que a mesma não ficava nem um pouco preocupada em ferir o marido, pois ela o traía dentro da própria casa. Percebemos a intenção do autor ao criar uma personagem burguesa, com valores também burgueses, mas com o instinto animal apurado a tal ponto de fazê-la esquecer as regras sociais. O amor carnal vence o social.

Eugênia, mocinha morena, 16 anos, quieta e impassível. "Ideias claras, maneiras chãs, certa graça natural, um ar de senhora e não sei se alguma outra coisa; a boca exatamente a da mãe" (cap. 32). Há, era coxa! Eugênia é descrita com certa seriedade e muito sarcasmo, opondo ao que sua mãe afirma: moça prendada, educada e respeitada. É notória a maneira fria e debochada como o narrador refere-se a Eugênia. A começar pelo nome: Eugênia - significa bem nascida - mas o narrador-personagem a chama de "a flor da moita", ou seja, é filha de um caso, e não do matrimônio.
O "problema físico" a tornava reservada. E a crítica continua a tal ponto de ele fazer um contraponto entre o defeito físico e a beleza da menina Eugênia, "uns olhos tão lúcidos, uma boca tão fresca, uma compostura tão senhoril; e coxa (cap. 32)". Através do adjetivo "tão", o narrador dissocia perfeição de imperfeição. Aprofunda sua crítica aos padrões sociais: só tem algum prestígio na sociedade quem é realmente "perfeito". Ela tinha sua beleza, e era tanta que encantou Brás, que a adorava e até pagava qualquer preço por um rostinho bonito, mas se tornou inviável pela própria natureza.
A quarta mulher a ser apresentada é Nhã-loló, filha de família burguesa decadente. Esta aparece bem depois dos devaneios amorosos de Brás Cubas. Representa a tentativa de resposta à sociedade que o mesmo deveria dar. Não a amava, mas ela era um tipo que a sociedade aceitava para ser esposa, mãe e dona de casa. Era tão pura, tão angelical que os anjos a levaram para junto do pai aos 19 anos de idade. Nhãloló morre de febre antes que se consumasse o romance, tornando-a irrevogavelmente inviável.
As quatro mulheres que participam da vida amorosa de Brás diferem em vários aspectos uma das outras. Marcela representa o profano, a descoberta do prazer carnal ao mesmo tempo que significa avareza, ambição e interesse financeiro. Eugênia representa a moça prendada, de família - mesmo não sendo fruto do matrimônio - pronta para se casar, mas infelizmente é coxa. "É bonita, mas é coxa". Virgília é o grande amor de Cubas. A mulher capaz de virar o mundo deste com um simples olhar. Virgília é repleta de sedução, pecado, feitiço e, por que não dizer: uma mulher feita para o amor da cabeça aos pés. E Nhã-loló tinha a beleza da conveniência social.
Assim como os demais projetos de vida de Brás Cubas, os seus amores não deram certo. O amor de Marcela fracassou porque ela não amava um homem só, mas todos. Não era de ninguém, mas nunca estava sozinha. O namoro entre Eugenia e Brás não deu certo por um simples motivo: ela era coxa. Já o enlace matrimonial com Virgília não se realizou porque Lobo Neves foi mais inteligente e conseguiu conquistar a confiança política de seu pai. Mas tudo tem uma recompensa na vida. Talvez se Virgilia não tivesse trocado Brás por Lobo Neves quando solteira, eles não tivessem vivido uma bela história de amor, mesmo sendo adúlteros. Por último, temos o casamento encomendado por Sabina, irmã de Cubas, a Nhãloló. E mais uma vez tudo fracassa. O possível enlace conjugal foi interrompido pelo destino: a noiva morrera de febre amarela. E comigo levou os sonhos que este tinha de construir uma família.
Das quatro relações, duas foram consumadas: com a prostituta e com a adúltera. As outras duas não passaram de namoricos, sem consequências mais sólidas.
Percebe-se a repetição negativa da visão feminina no romance. Marcela finge, é dissimulada, pois mantém os dois amantes, sem que um deles fosse informado da circunstancia - O Xavier depões as insíneas (cap. 15). A própria mãe de Brás, ao desviar algum dinheiro, para fornecê-lo clandestinamente, não deixa de enganar ao pai e ser também dissimulada.
As mulheres das Memórias Póstumas se tornavam inviáveis por escolha, ou por insatisfação pessoal ou até por simples golpe do destino: a "dama espanhola" nunca seria digna de ocupar o cargo de esposa naquela sociedade, por seu passado impuro; o "diabrete angelical" teve seu capricho de mulher, mas já tinha um marido; a ideia de ver sua noiva entrando na igreja mancando não agradou Brás e o coração de pérola morrera sem mais delongas. E assim, o destino de Brás seria, inconformavelmente, a solidão.
Cícera Araújo de Sousa é aluna concluinte do curso Licenciatura Plena em Letras da Universidade Federal de Campina Grande, campus de Cajazeiras.

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

TEATRO MÁGICO em Londrina


Quais os planos pro fim de semana?

Eu vou pro show do Teatro Mágico em Londrina, você conhece?
Se ainda não conhece, vou colocar uns vídeos para começar a gostar!
É poesia, arte, circo, música, teatro... CULTURA, muita cultura de uma vez só!
É bom demais+!
=D
Uma das frases do Teatro, que mais gosto é:
"Eu sinto que sei que sou um tanto bem maior", "Só enquanto eu respirar, vou me lembrar de você!" e "Nem toda palavra é...aquilo que o dicionário diz!"
Entra no site da banda, aqui.
Tenho certeza que irão curtir. Fica a dica.  ;D

Cuide-se no inverno

Brrrrruuuu que frio!
E com o frio vem o cabelo seco nas pontas e oleoso na raiz, a pele seca e mais branca do que a minha já é rs, os lábios com pequenos rachadinho e assim por diante... fala sério, temos que aumentar todos os cuidados que já temos, se usamos um hidratante pra rosto e corpo, a dose deve ser aumentada, assim acontece com os lábios e cabelos, devem sempre estar hidratados e muito bem hidratados.
Estava procurando uns sites com dicas, muitas dicas para estes dias e acho legal, contribuir com vocês.
Sobre cuidados com a pele, encontrei neste site aqui, é só clicar e ler tudinho com muita atenção, cuide bem da sua pele... é seu cartão de visita!
Sua aparência deve sempre estar bem cuidada, com ar de limpeza e maciez. (ui rs)
Para saber alguns cuidados com os cabelos, clique aqui!
É isso, espero que gostem!
Bjo

terça-feira, 2 de agosto de 2011

Após reportagem, aluno da USP que passa o dia com R$ 11 ganha livros e até notebook

Fico aqui imaginando quando as pessoas começarão a valorizar o que possuem, as oportunidades, as pessoas que estão sempre presentes em sua vida.

Fui ler e saber do que se tratava, e era mais uma pessoa superando um desafio.

Vou postar o link aqui e espero que leiam, logo mais comento.

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

De volta ao trabalho

Tem gente que sofre quando as férias acabam e a rotina de trabalho volta ao normal.
Eu adorei voltar ao trabalho hoje, como é bom rever meus alunos, saber o que fizeram em suas férias, fofocarmos rs
Cada dia que passa, tenho mais carinho e mais vontade de saber do que gostam, o que querem pro futuro, como se veem daqui há 10 anos, é bom fazer parte da vida dessas pessoas, vê-los crescer, no tamanho e na capacidade de se tornarem o que sonham!
Quando eu paro alguns minutos para conversar com com qualquer aluno que seja, percebo que fiz a escolha certa e que estou exatamente onde deveria estar!