quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Violência, arroz, feijão e salada!

imagem da internet
Um dos meus hábitos diários é assistir ao jornal depois do almoço, geralmente vejo Record, gosto da apresentadora e me divirto com os furos do Percival.
Mas, há alguns dias venho me esquivando deste hábito e sabe o porquê?
Porque, é difícil fazer uma digestão com meninas sendo jogadas do sexto andar, ou cozinheiras colocando veneno de rato na comida de crianças de uma escola, é triste ver bebês sendo arremessados na parede, homens estuprando meninas, pedófilos.
Cidades e cidades inundadas, desempregos, assaltos, assassinatos, acidentes...
Parece que a cada dia a violência tem aumentado, ou será que hoje temos contato direto com informações ou o excesso delas?
Acredito que nem tudo precisava ser mostrado, não friamente.
Eu sei que não somos obrigados a acompanhar nada, mas eu seria uma alienada se não soubesse a realidade deste mundo preconceituoso e violento.
Parece que a partir do momento que jogaram alguém de um prédio, esta prática se tornou constante, virou moda arremessar pessoas, virou moda torturar alguém para conseguir algo.
Virou moda também, esconder o corpo, né? 
Fingir que ninguém viu nada, não ouviu nada...
Não sei se isso é ser brasileiro, se é ser medíocre ou se é perceber que tudo se tornou algo tão natural, que nem nos damos conta da gravidade, apenas temos conhecimento que mais uma desgraça aconteceu.
Não sei como resolver este problema, minhas soluções servem para mim e minha família, e desta forma eu posso dizer, que a educação que recebemos em casa, é o que nos torna quem somos e reféns dos nossos atos.