quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Infância Feliz, você teve?

Reprodução Google Imagens
Ontem em um jantar, reencontrei minha professora da pré-escola.
E tê-la visto e conversado me fez lembrar a infância maravilhosa que tive.
Quando criança morava em chácara, com vários gatos, cachorros, galinhas, porcos e um bode - o Mimo.
Em época de festa junina, meu pai fazia uma fogueira bem grande e assava batata doce.
No Natal, minha mãe arrancava uma parte de um dos pinheiros que tínhamos plantados e fazia uma árvore de Natal enorme, ela nos fazia escrever cartinhas para o Papai Noel e na véspera, colocávamos leite e bolachinhas para ele e para as henas, graminha em um pé do nosso sapatinho.
Na páscoa, minha irmã fazia ovos de chocolate caseiro e escondia tudo em cima do guarda-roupa. 
No dia do aniversário do meu pai, ficávamos esperando até de madrugada para cantar parabéns e cortar o bolo.
No dia das crianças, íamos para a festa da igreja, onde sempre tínhamos muitos doces como presentes.
Quando comecei ir para escola, minha mãe fazia tranças embutidas no meu cabelo, colocava aqueles vestidinhos rodadinhos e com flores, fora o cheirinho do banho recém tomado.
Eu levava sacolas com frutas para a professora, havia um pomar enorme onde eu morava.
Sabe do eu brincava nesta época?
Brincava de carrinho de rolimã, de contar histórias de fantasmas, de fazer poço e encher de água, de montar fazendinhas na terra - com vários bichinhos e caminhões, eu entrava no latão que tinha em casa e os amiguinhos me rolavam ribanceira a baixo, eu pescava, brincava de esconde-esconde, "relou em mim fedeu", brincava de ser costureira e fazia vestidos pras bonecas.
Sabe quando eu tomava refrigerante?
Só em época especial, como Natal e Páscoa.
Doces?
Só os da vendinha da esquinha: paçoquinha, canudinho de maria-mole, guarda-chuva de chocolate, canudinho de doce de leite, pirulito de chupetinha, bolachinha do Fofão, sodinha.
Eu não tinha vídeo-game e fui ganhar minha bicicleta aos nove anos - a vontade era tanta que meu pai me colocou na bicicleta e já sai pedalando.
Quando vejo as crianças de hoje, reféns daquilo que acham ser a melhor coisa do mundo, penso que estas não sabem o que é uma infância feliz.
Que saudade de voltar pra casa suja de terra, com os joelhos ralados e os dentes trincados.
Quando lembro de tudo isso, tenho certeza que minha infância foi perfeita!

Reprodução Google Imagens