quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Infância Feliz, você teve?

Reprodução Google Imagens
Ontem em um jantar, reencontrei minha professora da pré-escola.
E tê-la visto e conversado me fez lembrar a infância maravilhosa que tive.
Quando criança morava em chácara, com vários gatos, cachorros, galinhas, porcos e um bode - o Mimo.
Em época de festa junina, meu pai fazia uma fogueira bem grande e assava batata doce.
No Natal, minha mãe arrancava uma parte de um dos pinheiros que tínhamos plantados e fazia uma árvore de Natal enorme, ela nos fazia escrever cartinhas para o Papai Noel e na véspera, colocávamos leite e bolachinhas para ele e para as henas, graminha em um pé do nosso sapatinho.
Na páscoa, minha irmã fazia ovos de chocolate caseiro e escondia tudo em cima do guarda-roupa. 
No dia do aniversário do meu pai, ficávamos esperando até de madrugada para cantar parabéns e cortar o bolo.
No dia das crianças, íamos para a festa da igreja, onde sempre tínhamos muitos doces como presentes.
Quando comecei ir para escola, minha mãe fazia tranças embutidas no meu cabelo, colocava aqueles vestidinhos rodadinhos e com flores, fora o cheirinho do banho recém tomado.
Eu levava sacolas com frutas para a professora, havia um pomar enorme onde eu morava.
Sabe do eu brincava nesta época?
Brincava de carrinho de rolimã, de contar histórias de fantasmas, de fazer poço e encher de água, de montar fazendinhas na terra - com vários bichinhos e caminhões, eu entrava no latão que tinha em casa e os amiguinhos me rolavam ribanceira a baixo, eu pescava, brincava de esconde-esconde, "relou em mim fedeu", brincava de ser costureira e fazia vestidos pras bonecas.
Sabe quando eu tomava refrigerante?
Só em época especial, como Natal e Páscoa.
Doces?
Só os da vendinha da esquinha: paçoquinha, canudinho de maria-mole, guarda-chuva de chocolate, canudinho de doce de leite, pirulito de chupetinha, bolachinha do Fofão, sodinha.
Eu não tinha vídeo-game e fui ganhar minha bicicleta aos nove anos - a vontade era tanta que meu pai me colocou na bicicleta e já sai pedalando.
Quando vejo as crianças de hoje, reféns daquilo que acham ser a melhor coisa do mundo, penso que estas não sabem o que é uma infância feliz.
Que saudade de voltar pra casa suja de terra, com os joelhos ralados e os dentes trincados.
Quando lembro de tudo isso, tenho certeza que minha infância foi perfeita!

Reprodução Google Imagens

6 comentários:

  1. parece letra de musica sertaneja antiga!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  2. voce é tao linda, dona de um rosto tão perfeito que só sua foto ja bastaria para substitur todos os artigos e poesias possiveis de serem postadas....talves não devesse deixar sua foto para ela não ofuscar seus artigos.

    ResponderExcluir
  3. Quase um "Menino da Porteira"!

    e obrigada pelo elogio =)

    ResponderExcluir
  4. Eu brincava de pega pega, esconde esconde, carrinho de rolimã dos meus primos,me ralava tudo nos muro quando pulava pra ir nos vizinhos me esconde, mas eu sempre perdia porque era a mais nova de 18 netos, era muito legal IUSAHISAUHSA'
    Murê :)

    ResponderExcluir
  5. esse ai ai no ultimo comentario não sou eu!!!!!

    ResponderExcluir

Obrigada por acessar o Blog Ateliê das Letras!
Um grande abraço!
Edelise Gabardo