quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Expondo sofrimentos

http://1.bp.blogspot.com/-Oz12Pk7PLSE/Ts7xQqBuHdI/AAAAAAAABIU/
oVeazLqyirE/s1600/20061205160654.gif
Com tantas novas tecnologias disponíveis por aí, as pessoas acabam se expondo demais, transparecendo suas fragilidades e tornando-se fracas aos olhos do mundo.
Às vezes vejo postagens em redes sociais de pessoas sofrendo por amor, ou por falta dele; o que me intriga é o fato de perceber o quanto este número de sofredores têm aumentado com o passar dos anos e o pior é perceber que quanto mais jovens são, mais sofrem.
Há horas em meu dia onde o que mais tenho vontade de fazer é secar as lágrimas de algumas pessoas ou simplesmente dizer:
"Acredite em mim, esta dor vai passar!"
E realmente passa.
Todo e qualquer sofrimento, por qualquer motivo que seja, passa, quando menos esperamos estamos lá, refletindo sobre nossas atitudes e o que poderíamos ter feito para mudar toda aquela situação, e o mais interessante é que muitas vezes notamos que teríamos tomado as mesmas decisões.
Acredito que sofrer faça parte do nosso aprendizado diário e sendo assim, torna-se inevitável, tendo um imenso valor.
Sim, o sofrimento tem seu valor.
Quando sofremos por um relacionamento, por alguém que não se importou conosco, ou pelo menos imaginamos isso, aprendemos que fazer o mesmo com é inadmissível. Notamos também que se somos traídos por supostas amizades, devemos tomar uma grande precaução, afinal de contas o ser humano merece nosso respeito e consideração.
Com o passar dos anos aprendi a conviver com o sofrimento, com o meu e com o dos outros.
http://www.pop4.com.br/wp-content/uploads/2011/10
/redes_sociais.jpg
Tem gente que sofre demais.
Tem gente que sofre de menos.
Tem gente que parece nunca sofrer. – só parece!
Não é vergonha nenhuma admitir o que sente e abrir o coração, o cuidado está na medida em que se faz isto e onde se faz isto.
Abrir o coração e mostrar o que sente ou que pensa não te dá o direito de ofender o próximo, ainda mais quando é  porque outra pessoa faz o teu “ex-amor” feliz. 
Se houve amor um dia, por sua parte, o mínimo é estar feliz por pessoas boas se encontrarem.
Achar que deve expor a vida de um ex-colega de sala, de trabalho, de barzinho também não é o caminho para mostrar credibilidade.
Quanto mais você fala, menos acreditam em você.
Sofrer não é sinônimo de exposição. 
É momento de reflexão e sem culpa!
O que você pensa a "respeito do fulano de tal"? 
Isso não importa! 
O que importa é que a curiosidade do outro faz da sua vida um livro aberto e nem sempre isso faz bem.
Não pense que tenha sido substituído em algum momento da sua vida, você apenas faz parte de uma grande parcela da população que vence todos os obstáculos que a vida coloca em seu caminho.
Orgulhe-se de ter sofrido um dia, ainda mais se foi em silêncio.


Edelise Gabardo.