terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Teoria e Prática por David Sérgio da Silva

Boa noite pessoal!
Há um tempo recebi alguns textos de um leitor assíduo deste Blog e quero compartilhar um deles com vocês. Seu texto fala sobre Teoria e Prática e tenho certeza que irão se identificar com suas palavras.

Antes de ir ao texto, vamos à pessoa:
O nome deste leitor é David Sérgio da Silva, tem 27 anos, é economista e matemático.
(E depois dizem que as pessoas das Exatas não possuem interesse nas Humanas.)
E-mail para contato: davidsergio1@gmail.com

Agora, vamos ao texto: 


TEORIA E PRÁTICA
David Sérgio da Silva


http://www.pesquisas.org.br/images/stories/divorcio.jpg
"Você já percebeu que para quase tudo na vida existe uma teoria e uma prática diferente? Como assim? Explico: na teoria é uma coisa, e na prática é outra.
Na teoria a velocidade máxima permitida para trafegar com nossos veículos em vias urbanas é 40 km/h. Mas, e na prática, a quanto andamos pelas ruas da cidade?
Se um time de futebol tem os melhores jogadores e o melhor técnico, ele deveria ganhar os jogos disputados com adversários mais fracos, certo? Na teoria sim, porém, na prática, nem sempre isso ocorre.
Alguém aí já foi indenizado por ficar mais de vinte minutos na fila do banco para ser atendido? Em teoria você já poderia estar rico. Na prática o máximo que você ganha é uma cadeirinha para esperar sentado.
Na teria o Estado deve oferecer serviços de saúde de qualidade para a população; mas, na prática, muitos cidadãos morrem aguardando atendimento.
 Temos o poder de fiscalizar as finanças públicas do nosso município. Já fomos a alguma prestação de contas debater com o prefeito?
Espero que o leitor esteja percebendo a clara diferença entre a teoria e a prática em nosso país. Continuemos o texto.
Na teoria os professores deveriam ser exemplos para seus alunos, através de seu comportamento e atitudes responsáveis; mas sabemos que isto não ocorre na prática.
O casamento é um sacramento sagrado para durar uma vida toda. Disso sim, ninguém discorda, certo? Errado, na prática o número de divórcios vem aumento a cada ano.
Fica a pergunta: para que serve a teoria? Escrevi este texto para que a sua leitura desperte a conscientização para as questões levantadas...  na teoria; porém sei que, na prática, ele não vai servir para nada mesmo."


domingo, 26 de fevereiro de 2012

Daí eu te pergunto: O que te move?

Fonte: http://www.triada.com.br/upload/imagens_upload/criticas(1).jpg
Dia desses estava aqui pensando sobre o comportamento deste ser engraçado que é o humano.
Numa porcentagem anormal, percebemos o quanto o mundo é mesquinho.
Sim, mesquinho!
Pessoas têm contato com outras pelas redes sociais, mas nem se cumprimentam quando se veem pelas ruas.
Gente que nos "odeia" fica de olho em nossas atualizações para criticar, sem fundamentos qualquer passo dado.
Daí eu te pergunto: O que te move?
A vida da outro?
E a sua? Onde fica?
Fácil sair por aí criticando as roupas, sapatos e cabelos.  
Mais fácil ainda apontar o dedo indicador para o rosto de alguém e esquecer-se que há mais quatro dedos virados para si.
Acredito que tenha passado da hora de parar de olhar a grama do vizinho e regar as suas flores.
O lado de lá não tão bom quanto parece!
Se o outro tem olhos claros, cabelos lisos, é alto, tem boa oratória... não importa!
Não temos ideia de como seja sua vida, de quantos leões ele mata por dia e nem o que fez para estar ali, naquele exato lugar!
Aproveite mais o que conquistou até aqui e coloque na sua cabeça que a cada dia podemos crescer e renovar nossas expectativas. Basta ter vontade e coragem de autoavaliar-se. 

Edelise Gabardo.

Nota de agradecimento

Quando criei este blog, pensava em publicar artigos de minha autoria, bem como de outras pessoas, dar dicas de coisas que gosto (ou não) e assim tenho feito, quase sem tempo, porém sempre tentando.
Quero agradecer às pessoas que entenderam a ideia deste projeto e acompanham, simplesmente por gostar de mim, ou do (infelizmente) pouco que tenho produzido.
Obrigada mesmo, vocês (que acreditam no que faço) merecem todo meu respeito!
Aos que criticam sem base: Façam melhor! =)

Edelise Gabardo.

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Dica de filme: Cada um tem a gêmea que merece

Oi pessoal!
Hoje assisti ao filme "Cada um tem a gêmea que merece" com o grande ator Adam Sandler, é uma comédia ótima e indico a quem adora rir, assim como eu! Veja o trailer oficial logo abaixo: 

Fonte: divulgação
Gênero: Comédia, Romance
Diretor: Dennis Dugan
Elenco: Adam Sandler, Katie Holmes, Al Pacino
Escritores: Adam Sandler, Steve Koren, Robert Smigel

Fonte: youtube

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

O Carnaval está se tornando um "feriado"santo!

http://www.akatu.org.br/
Há dias sem postar nada e com tantas ideias, e mesmo com feriado: sem tempo! (mal do séculooooo, já disse isso aqui antes!!!)
Semana passada completei mais um aninho de vida e quero fazer um post especial sobre aniversários, porém hoje quero falar um pouco sobre a grande máfia que é o Carnaval.
Poxa vida, quando o povo brasileiro vai acordar e perceber que esta "festa"nada mais é do que a política do "pão e circo"posta em prática?
O povo estando feliz, logo não reclama! bem simples...
É triste demais ligar a TV e ver a falta de noção da sociedade em relação à triste realidade desta nação. (até rimou)
Não consigo entender o motivo das mulheres precisarem estar despidas para representar a idealização de sua Escola de Samba. Não consigo visualizar a sustentabilidade em um corpo todo pitando, com muito Glitter e tão pouco tecido.
Me considero uma pessoa inteligente diante de tantas informações sociais, mas sinto muito, não existe nenhuma sustentabilidade numa mulher super sarada, (o que deixa todas as donas de casa super baixo-astral, já que a mídia impõe um padrão de beleza, pertinente apenas a quem malha todos os dias da semana ou se submete às cirurgias plásticas em geral), com menos de 0,5 cm de tecido, utilizado como tapa-sexo e pulando que nem pipoca. Preconceito? Claro que não! Inveja? Nem pensar! 
Não tenho preconceito das mulatas lindas que desfilam o nome do nosso país por aí e também não tenho inveja de seus corpos, até mesmo porque toda mulher deve ser bem resolvida consigo mesma. O fato é a forma com que desfilam seus corpos e o nome da nação!
Passou da hora de nos vendermos por meros feriadinhos (que na verdade nem são)... os brasileiros já foram mais inteligentes! 
Do mesmo modo que muitos se vendem por estes dias (quase santos), acontece de gente ficar esperando pela sexta-feira como se este dia fosse sua salvação!
Sei lá, mas tenho a impressão que vivemos no século da preguiça: preguiça de trabalhar, preguiça de estudar, preguiça de lutar pela educação, preguiça de cobrar dos nossos governantes soluções para a fome, miséria, moradia digna e doenças... enfim, PREGUIÇA!
http://2.bp.blogspot.com/_qqAYdiNS220/TJHrxOCmW1I/
AAAAAAAACYY/IMcJwJSs-aU/s1600/lixo.jpg
Desligue um pouco a TV e olhe o sol, veja que com o passar dos anos ele tem ficado mais quente e pense que algo dessa grandeza merece muito mais sua atenção do que o bumbum da Valesca (que merece meu respeito, pois tem uma história de vida complicadíssima e está vencendo na vida, usando aquilo que tem de melhor) ou o menor tapa-sexo deste carnaval.

Edelise Gabardo

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Manipulação e blá blá blá

http://agenciafatofa7.files.wordpress.com/2010/06/
manipulacao-midiatica.jpg
A qualquer momento do dia, em qualquer canal de TV, fala-se apenas em um assunto: Caso Eloá!
Acompanhei a repercussão por vários canais e cada emissora repassa certas informações da sua maneira.
Claro que as grandes redes monopolizam todo espaço e fazem tudo da maneira que acreditam ser a que os convêm.
O caso é que eu não aguento mais tanta repetição.
A justiça é lenta, sim!
A imprensa domina a opinião do brasileiro, sim!
Eu me deixo influenciar pelo que dizem? Não!
Mas infelizmente, uma grande parcela se deixa levar. E assim vai...
Com casos como este e a imprensa focada inteiramente, só tenho a pensar que nada mais seja do que uma jogada de marketing, pois afinal de contas, me responda: temos acompanhado as decisões da nossa presidenta? Sabemos o que anda acontecendo com os nossos deputados? E as taxas?
Pois é...
E você, está aí agora... pensando que tudo que eu disse tem fundamento!

Edelise Gabardo.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

dor de cotovelo

http://3.bp.blogspot.com.gif
Tenho pena daquelas mulheres, que para terem atenção, precisam encontrar defeitos nas outras mulheres.
Espere aí, não é porque a mulher ao lado é mais alta do que você ou tem um cabelo mais bonito do que o seu, que ela mereça falsas acusações. 
Falar mal do outro ou estar atento para encontrar defeitos a qualquer momento, pra mim é inveja!
Está na hora de amadurecer e aprender a conviver com o fato de que a mulher ao lado, às vezes, só possui aquilo que você nunca teve capacidade para alcançar! 

Edelise Gabardo.

domingo, 5 de fevereiro de 2012

erros e mais erros

Por essas e outras que cobro tanto dos meus alunos.
Fiz este print hoje a tarde.
Fonte: www.globo.com

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

'PÁTRIA MADRASTA VIL' - por Clarice Zeitel

Fonte: internet

Redação Premiada pela UNESCO, Clarice Zeitel, de 26 anos, estudante que termina faculdade de direito da UFRJ em julho, concorreu com outros 50 mil estudantes universitários.

Ela acaba de voltar de Paris, onde recebeu um prêmio da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) por uma redação sobre 'Como vencer a pobreza e a desigualdade'

A redação de Clarice intitulada `Pátria Madrasta Vil´ foi incluída num livro, com  outros cem textos selecionados no concurso. A publicação está disponível no site da Biblioteca Virtual da UNESCO.


'PÁTRIA MADRASTA VIL'

“Onde já se viu tanto excesso de falta? Abundância de inexistência. .. Exagero de escassez... Contraditórios? ? Então aí está! O novo nome do nosso país! Não pode haver sinônimo melhor para BRASIL.
Porque o Brasil nada mais é do que o excesso de falta de caráter, a abundância de inexistência de solidariedade, o exagero de escassez de responsabilidade.
O Brasil nada mais é do que uma combinação mal engendrada - e friamente sistematizada - de contradições.
Há quem diga que 'dos filhos deste solo és mãe gentil.', mas eu digo que não é gentil e, muito menos, mãe. Pela definição que eu conheço de MÃE, o Brasil  está mais para madrasta vil.
A minha mãe não 'tapa o sol com a peneira'. Não me daria, por exemplo, um lugar na universidade sem ter-me dado uma bela formação básica.
E mesmo há 200 anos atrás não me aboliria da escravidão se soubesse que me restaria a liberdade apenas para morrer de fome. Porque a minha mãe não iria querer me enganar, iludir. Ela me daria um verdadeiro Pacote que fosse efetivo na resolução do problema, e que contivesse educação + liberdade + igualdade. Ela sabe que de nada me adianta ter educação pela metade, ou tê-la aprisionada pela falta de oportunidade, pela falta de escolha, acorrentada pela minha voz-nada-ativa. A minha mãe sabe que eu só vou crescer se a minha educação gerar liberdade e esta, por fim, igualdade. Uma segue a outra... Sem nenhuma contradição!
É disso que o Brasil precisa: mudanças estruturais, revolucionárias, que quebrem esse sistema-esquema social montado; mudanças que não sejam hipócritas, mudanças que transformem!
A mudança que nada muda é só mais uma contradição. Os governantes (às vezes) dão uns peixinhos, mas não ensinam a pescar. E a educação libertadora entra aí. O povo está tão paralisado pela ignorância que não sabe a que tem direito. Não aprendeu o que é ser cidadão.
Porém, ainda nos falta um fator fundamental para o alcance da igualdade: nossa participação efetiva; as mudanças dentro do corpo burocrático do Estado não modificam a estrutura. As classes média e alta - tão confortavelmente situadas na pirâmide social - terão que fazer mais do que reclamar (o que só serve mesmo para aliviar nossa culpa)... Mas estão elas preparadas para isso?
Eu acredito profundamente que só uma revolução estrutural, feita de dentro pra fora e que não exclua nada nem ninguém de seus efeitos, possa acabar com a pobreza e desigualdade no Brasil.
Afinal, de que serve um governo que não administra? De que serve uma mãe que não afaga? E, finalmente, de que serve um Homem que não se posiciona?
Talvez o sentido de nossa própria existência esteja ligado, justamente, a um posicionamento perante o mundo como um todo. Sem egoísmo. Cada um por todos.
Algumas perguntas, quando auto-indagadas, se tornam elucidativas. Pergunte-se: quero ser pobre no Brasil? Filho de uma mãe gentil ou de uma madrasta vil? Ser tratado como cidadão ou excluído? Como gente... Ou como bicho?”

Fonte: internet