domingo, 16 de junho de 2013

Sobre as Mulheres! - Texto de Léo Moreno

Mulheres querem na verdade o que nem elas mesmas sabem. Dispensam cavalheiros para se dar o luxo de experimentar situações com os ogros sexualmente atenciosos e depois saem por aí, choramingonas, queixosas, só porque foram dispensadas, assim como fizeram logo antes.
Mulheres na verdade, não sabem mesmo o que querem.
Um dia querem um pai para seus filhos, no outro um ator de filme pornô.
Um dia querem um amigo que esteja ao seu lado para somente ouvi-las, no outro querem um carrasco que as puxe pelos cabelos.
Não venha me dizer que eu esteja mentido, mulher!
Sou homem, eu sei o que você acha que quer. E sei como você age.
Na verdade você tem medo de se arriscar, trocar o certo pelo duvidoso, se permitir. Daí permanece numa vidinha mais ou menos, sem muitas emoções, por anos, lendo livros bizarros como 50 tons de cinzas e indo a sex shop adquirir novos brinquedinhos para tentar apimentar a relação morna sem desejo que tem; não sabe que tua relação nem tem o que apimentar? Apimentar o quê? Se você não se permite! Medrosa!
Mulher na verdade é o objeto de consumo masculino mais distante do satisfatório existente no mercado. Não queira me apedrejar, mulher, leia o que eu escrevo. Quem sabe para de ficar em meio aos cobertores em fins de semana e coloca mais vida na SUA vida.
Qual sua vontade? O que você quer?
Quer que te amem? Quer que te peguem? Quer que te dispensem?
Nem você mesma sabe, talvez porque esteja de TPM e se esbaldando num pote de sorvete.
Homens querem mulheres quentes, com vontades, dispostas.
Não pense que o almoço na mesa, a tolha de banho cheirosa, a cama arrumada e o chão limpo farão de nós homens, mais dispostos a estarmos com vocês. Não nos importamos! E nem vocês deveriam.
Mulheres de verdade se permitem, não questionam, fazem.
Se você pretende mesmo ter um relacionamento estável, o mínimo que tem que fazer é entender de uma vez por todas que nós homens só esperamos algo de vocês: vocês!
O resto acontece naturalmente!

Texto de Léo Moreno (Escritor, curioso e sem redes sociais)
Revisão de Edelise Gabardo.


domingo, 2 de junho de 2013

Domine a língua

Na verdade escrever não é tão fácil assim, não é sentar e deixar as palavras saírem como se fossem suaves sinfonias ou doces gestos.
Escrever requer concentração, tempo, local, café (ou chocolate quente), escrever requer querer escrever.
A dificuldade deste ato está justamente aí, em querer escrever.
Por exemplo, na faculdade (embora se pense que as pessoas estejam super maduras...) poucos querem escrever durante as aulas, convenhamos que conversar com os amigos pode ser bem mais interessante. Entretanto o necessário se faz. É necessário saber escrever. Seremos cobrados: no vestibular (aqueles ali já passaram por este fantasma), nas avaliações dissertativas, entrevistas de emprego, ao preencher um documento no trabalho ou somente para conquistar alguém (as cartinhas de amor e/ou mensagens estão precárias).
Saber escrever e ter domínio do básico do básico do básico da língua portuguesa é pré-requisito para um possível interesse (como 'ansioso' e não 'ancioso', 'com certeza' e não 'concerteza').
Conviver com a língua se faz desde o ventre, e como não dominá-la?
As mulheres dominaram os homens das cavernas. Os homens dominam seus carros (ou pensam que).
Por que não dominamos nossa língua?
Oras... conversar com o amigo, reitero... parece ser muito mais interessante!
Interessante mesmo é escrever este texto, pensar no que escrever, me preocupar com a gramática, pensar se por acaso alguém irá ler, querer compartilhar no Face, comer chips, acompanhar a Dança dos Famosos (O Faustão irrita muitoooo) e ainda conversar sobre o jogo do São Paulo com o maridão (agora são 20h23, só para constar).
Ok, EU sou assim!
Tudo bem se o mundo não se concentra.
Concentrar-se é para uma pequena minoria que se preocupa realmente com o seu produto final e que quer um bom resultado naquilo que faz.
Algumas pessoas podem até pensar: "_ Para ela é fácil, ela é professora!"
Que nada!
Além de professora eu sou INTERESSADA!
E por ter interesse nas coisas que faço, me proponho a fazê-las da melhor forma possível.
Mas EU sou assim, afinal conversar com os amigos parece ser bem mais interessante do que fazer aquilo que você, supostamente, deveria ter feito!
Mas... reflita:
Domine... pelo menos a língua!