segunda-feira, 6 de abril de 2015

Quanto vale a renúncia?


Na verdade só paramos para pensar sobre o assunto quando renunciamos a algo e percebemos que hoje não significou muita coisa. (Não gosto da palavra "coisa", mas ela é muito explicativa.)
Renunciamos às pessoas, aos momentos, às fotos, às músicas, aos abraços, aos shows, aos aprendizados, definitivamente renunciamos, simplesmente renunciamos e sempre renunciaremos (uiiiii), porque afinal, naquele momento nos foi benéfico, ninguém renuncia pelo prazer em renunciar, renunciamos porque ganhamos alguma coisa de alguém. (eita texto cheio de pronomes)
Renunciei sim, principalmente aos autorretratos e aos momentos, isto porque me convinha, ué!
Convinha tanto que cega fiquei, não... espera! Cega? Que nada! Só queria mesmo manter-me num lugar que lutei muito para estar. Estou? Que nada também. Lamentei-me por não estar, mas senti mais por ter renunciado!

E hoje, com um texto medíocre eu pretendo voltar!