terça-feira, 25 de agosto de 2015

Figuras de Linguagem: Metáfora x Comparação

quinta-feira, 20 de agosto de 2015

"A longo prazo" ou "em longo prazo"?


Dicas redundantes!


Duzentas gramas ou duzentos gramas?


9 erros de português na entrevista de emprego

Assassinar a gramática nessa hora pode ser prejudicial à sua vida profissional 



Profissionais estão assassinando a gramática e cometendo erros de português na entrevista de emprego. Levantamentos feitos por empresas do segmento apontam que a taxa de reprovação dos candidatos na etapa de “ditado” e “redação” aumentou 60% nos últimos anos.
O dado é assustador porque, além de ferir os ouvidos do interlocutor, quem comete erros gramaticais pode prejudicar sua imagem e jogar pelos ares as melhores oportunidades de trabalho.
Os candidatos cometem erros bem variados, mas muitos – muitos mesmo – são de ortografia. Pior que isso – erram palavras que deveriam fazer parte do seu dia-a-dia. Ficou preocupado? Confira a seguir 9 erros de português que você não deve cometer nem no Whatsapp, quanto mais em um processo de seleção:
1 – “Segue os relatórios…”
Regra número um da concordância verbal: o verbo concorda com o sujeito, mesmo quando o sujeito vem depois, como é o caso acima. O correto é “seguem os relatórios”, no plural, ou “segue o relatório”, no singular. Atenção também quando a frase é longa. Nunca diga “O dono desses carros são felizes”, ok? O “dono”, núcleo do sujeito da oração, está no singular e é também no singular que o verbo deve ficar.
2 – “Eu vou estar estudando inglês no próximo ano.”
O nome disso é “gerundismo” e o resultado é tenebroso para sua imagem. Não tente enfeitar o discurso com ele. O melhor é dizer “Eu vou estudar inglês no próximo ano”. Simples e eficiente.
3 – “Ele falou pra mim fazer.”
Você diz “Mim vai almoçar”? Não! “Mim” não faz nada porque jamais pode ser o sujeito da oração. O correto é “Ele falou para EU fazer”. Pode parecer estranho, mas é o certo e, se você começar agora a falar assim, logo vai se acostumar. Só use o “mim” em casos deste tipo: “Ele gostou de mim” ou “Ele fez o relatório para mim”.
4 – “Houveram problemas no seu voo.”
Errado. O correto é “houve problemas no seu voo”. Sabe por quê? Haver no sentido de existir não tem sujeito, por isso fica sempre na terceira pessoa do singular. Exemplo: Há dez problemas, houve dez problemas, haverá dez problemas.
5 – “Esse curso é gratuíto.”
Não, não é… Ele é “gratuito”. Como não há acento agudo no i, o correto é falar com a sílaba tônica no “u”, como se fosse gratúito.
6 – “Porque eu não fui promovido?”
Vamos lá:
– Use “por que” separado no início de uma pergunta.
– Use porque junto na resposta, por exemplo: “Você não foi promovido porque não sabe escrever”.
– Use “por quê” separado e com acento quando ele estiver sozinho ou no fim da pergunta. Assim: “Você acredita nisso? Por quê?”.
– Use “por que” separado e sem acento sempre que ele puder ser substituído por “por qual motivo”. “Eu não sei por que não fui promovido” (“eu não sei por qual motivo não fui promovido”)
– Use “porquê” junto e com acento quando ele vier com o artigo “o” e puder ser substituído por “motivo”. “Eu não sei o porquê de tanta confusão.”
7 – “Estou muito ancioso para conseguir um emprego.”
Você esta “ansioso”, tenho certeza. Com “s” SEMPRE.
8 – “Eu tive muita assertividade nos testes.”
Não, você teve muitos acertos. Ter “assertividade” significa falar de forma clara, direta e objetiva. Não quer dizer que você tenha acertado alguma coisa.
9 – “Vamos se ver amanhã?”
Vamos relembrar os pronomes reflexivos: Eu me encontro, Tu te encontras, Ele (Você) se encontra, Nós nos encontramos, Vós vos encontrais, Eles (Vocês) se encontram. Da próxima vez, por favor, diga “Vamos nos ver amanhã?”. Combinado?
Ah, sim, sobre os erros de ortografia… Na dúvida, consulte sempre um dicionário. Há vários, gratuitos, na internet mesmo. E, para começar a errar menos, experimente parar de usar o corretor ortográfico automático. Ele pode “emburrecer” seu cérebro, viu?
Fonte: http://www.vagas.com.br/profissoes/dicas/9-erros-de-portugues-na-entrevista-de-emprego/#sthash.0gUkXkty.dpuf - texto de por Fernanda Bottoni

segunda-feira, 17 de agosto de 2015

Estudantes 'nota 1.000' na redação do Enem revelam o segredo do sucesso

Apenas 250 alunos entre 6,2 milhões conseguiram nota máxima na redação. Muita leitura, prática e paixão pela escrita ajudaram na hora da prova.


Eles representam um índice de apenas 0,004% do total de pessoas que fizeram o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2014.
Estão entre os 250 estudantes nota 1.000 na redação do Enem. Quase 6,2 milhões de candidatos fizeram as provas em novembro do ano passado, e raros foram aqueles que conseguiram a nota máxima.
O seleto grupo cumpriu com eficiência as cinco competências exigidas na prova e soube dissertar com propriedade sobre o tema proposto na prova, "Publicidade infantil no Brasil".

G1 reuniu as histórias de alguns desses alunos nota 1.000 na redação do Enem. Confira:

Treino e dedicação

Treinamento e dedicação são as dicas da carioca Paula Freire, de 19 anos, para conquistar a nota 1.000 na redação do Enem. Ela chorou muito quando soube que estava entre 250 estudantes de todo o país a conseguir a nota máxima. "Fiz muita redação porque sei que quem treina mais sempre escreve melhor." Paula acha que sua redação vai ajudá-la a entrar em medicina em uma das universidades públicas do Rio. "Vai fazer a diferença e abrir muitas portas."


Conheça as regras do Enem

Vitória Garcia e Souza, de 17 anos, de Rio Branco (AC), destaca que é preciso saber as exigências da redação do Enem. "Eu estava habituada a exercitar a redação.  aprendi a obedecer às cinco competências e agradar aos corretores. Toda semana fazia uma redação sem nenhuma fonte de consulta, só recebia o tema e escrevia, porque é assim no Enem. Não dá para pesquisar, tem que saber o tema, argumentar, criar um conflito e solucioná-lo."


Livros, violão e cavalos

Luis Arthur Novais Haddad, de 19 anos, de Juiz de Fora (MG), mesclou estudos com doses de relaxamento para chegar bem preparado às provas do Enem. "Tem que ter horário de estudos, mas também tem que relaxar, para não ter estresse. Tocava violão, às vezes ia à fazenda, andava a cavalo", diz. Sobre a redação: "Importante é ler bastante e escrever para adquirir o hábito e ter um bom vocabulário. A leitura é fundamental para um bom texto."


Discussão de temas relevantes

Victoria Maria Luz, 18 anos, deixou os amigos, familiares e a terra natal, no Semiárido do Piauí, região castigada pela seca, para se dedicar aos estudos. Ela fez edições anteriores do Enem como treineira, o que ajudou na hora da prova. "Também tive um acompanhamento escolar muito intenso com oficina para produção de textos onde discutimos diversos temas e depois produzíamos textos", destacou.


Música e sociologia no texto

O costume de ler desde pequeno é apontado por André Diniz, de 17 anos, de Natal (RN), como principal fator para alcançar a nota máxima na redação do Enem. "Acredito que a leitura foi o diferencial. Eu costumava ler desde pequeno e o desenvolvimento na escrita foi natural. Argumentei com sociologia e música. Não demorei no texto, mas o resultado foi muito bom", explica.

Uma redação por semana

A estudante Andréia Lira, 18 anos, do Recife (PE) é aluna do curso tecnológico em segurança do trabalho do Instituto Federal de Pernambuco (IFPE), mas quer mesmo estudar engenharia civil. Ela se preparou para o Enem estudando nos finais de semana. "Fiz cursinho por dois anos, e tentava fazer pelo menos uma redação por semana, mas levei um susto. Não esperava essa nota", explica Andréia.


Ler e escrever muito

Aos 16 anos, Júlia Neves Silva Dutra, de Uberaba (MG), já concluiu o ensino médio e pretende cursar medicina em alguma das universidade federais do Triângulo Mineiro (UFTM, UFOP e UFU). Segundo ela, o hábito de ler e escrever histórias que cultiva desde pequena ajudou no desempenho. "Desde pequena eu gosto de escrever historinhas e isso ajudou bastante a desenvolver a minha escrita", explica.


Tem que ter confiança

Lucas Santos Barbosa, 20 anos, de Maceió (AL), foi reprovado em dez vestibulares, e resolveu se preparar muito para o Enem. "Tem que ter autoconfiança. No ano passado, eu coloquei dentro de mim que iria passar e estou esperando ser aprovado na Universidade Federal de Alagoas", afirmou o estudante, que espera que a nota máxima em redação o ajude a realizar o sonho de cursar medicina.


Questão de prática

Vanessa Feijó, estudante de Fortaleza (CE), vibrou com a nota 1.000 que tirou na redação do Enem. "O tema da publicidade infantil foi uma surpresa", destaca a jovem. "Mas quando você começa a fazer muita redação, com frequência, você cria uma prática e desenvolve melhor qualquer tema proposto. Por mais difícil que seja, você acaba conseguindo desenvolver as ideias."

Fonte: G1

Que tal uma cruzadinha literária?

O arquivo está salvo em JPEG, você poderá imprimir ou responder em um rascunho! 
As respostas virão mais tarde, ok?



Que tal um joguinho? Linha do tempo dos movimentos literários

Coloque em ordem cronológica (de 1 a 11) os principais movimentos da literatura brasileira:

MOVIMENTOS
ORDEM
1
Pré-Modernismo
2
Romantismo
3
Produção Contemporânea
4
Simbolismo
5
Realismo
6
Barroco
7
Parnasianismo
8
Arcadismo
9
Quinhentismo
10
Modernismo
11
Naturalismo

Logo logo postarei com o resultado, ok?


Fonte: SOLITERATURA

Simulado sobre HUMANISMO


O Humanismo aconteceu em Portugal no período entre o fim da Idade Média e o começo da Idade Moderna. Não é raro que as obras mais expressivas da época, "O Auto da Barca do Inferno" e "A Farsa de Inês Pereira", sejam cobradas nos vestibulares


Teste seus conhecimentos com este simulado:  http://goo.gl/8lTxU3

Fonte: Guia do Estudante

Você é um procrastinador?


Você deixa tudo para a última hora e sempre se sente culpado por estar fazendo outras coisas no lugar daquilo que realmente precisa fazer? Isso tem nome: procrastinação!

 Será que é o seu caso? 

Acesse este link e faça o teste: http://goo.gl/ir23Ca


Fonte: Guia do Estudante

Estão abertas inscrições para vagas remanescentes do ProUni 2015/2

Período vai até 31 de agosto para estudantes que não estejam matriculados em curso superior

Estão abertas as inscrições para as vagas remanescentes da segunda edição do Programa Universidade Para Todos (ProUni) 2015. Até dia 31 de agosto podem concorrer às bolsas de estudos integrais e parciais os estudantes que ainda não se matricularam em curso superior.

O prazo se estende para quem já está cursando uma graduação em instituição de ensino conveniada com o ProUni e pretende mudar de carreira: os alunos podem se inscrever para cursos ofertados pela própria universidade até dia 1º de dezembro.

Caso a entidade de educação em que o estudante está matriculado não ofereça nenhuma graduação pelo programa, o candidato poderá concorrer a vagas de áreas semelhantes.

Para os candidatos

O ProUni oferece bolsas de estudo para cursos de graduação, sequenciais e de formação específica em instituições de ensino superior privadas e é dirigido a candidatos de baixa renda. Podem se inscrever aqueles que participaram das edições do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) a partir de 2010, obtiveram no mínimo 450 pontos na média das notas e não zeraram a redação.

Outra exigência é que o estudante tenha cursado todo o ensino médio em escola pública ou em escola particular com bolsa integral. Além disso, o candidato que deseja obter bolsa integral precisa comprovar renda familiar bruta mensal inferior a 1,5 salário mínimo por pessoa. As bolsas parciais, de 50%, são oferecidas àqueles que apresentam rendimento familiar bruto mensal per capita menor que três salários mínimos.

Professores efetivos da rede pública de ensino que trabalhem com educação básica também podem concorrer a cursos de licenciatura. Nesse caso não é necessário comprovar renda, nem ter realizado Enem.

Fonte: http://guiadoestudante.abril.com.br/